16 julho, 2007

Algumas notas sobre as eleições

António Costa: Ganhou, mas o seu resultado fica bastante aquém do que o próprio esperaria. Não chegou aos 30%, um resultado pouco superior ao desastre de Carrilho há dois anos, e cinco a seis pontos percentuais abaixo do que lhe davam todas as sondagens. As dúvidas, crescentes, sobre o papel de Júdice e Salgado no seu plano para a zona ribeirinha parecem ter feito mossa muito maior do que a Portela. Ficou-se pelos seis vereadores, necessitando da coligação com duas forças de esquerda para governar em maioria. A outra hipótese é Carmona, mas os custos políticos, para si e para o governo, da aliança com o ex-presidente da câmara e Fontão devem aconselhá-lo a preferir governar em minoria, procurando alianças pontuais com este ou aquele para fazer passar as suas propostas. Não era disso que estava à espera.

Carmona Rodrigues: Já aqui tinha dito que Carmona foi o vencedor de uma campanha onde, estranhamente, nunca se discutiu as razões políticas e financeiras que levaram à realização de eleições intercalares. Pareceram umas eleições como as outras e esse foi o seu grande trunfo. Ontem voltou a ganhar: ficou à frente do PSD. Ganhou bastante com a abertura do túnel, começando aí a reconversão, em tempo recorde, da sua imagem. Elege três vereadores mas não lhe devem servir de muito. Dificilmente Costa se poderá coligar consigo e com Fontão. Essa pode ser a sua derrota.

Fernando Negrão: Não há muito a dizer. O PSD teve 15% em Lisboa depois de ter insistido numa campanha puramente negativa. Depois de Santana, é a segunda vez que este partido envereda por esta via. Os resultados estão à vista. Marques Mendes tirou a única conclusão que poderia tirar.

Helena Roseta: Apesar do seu nome não aparecer no boletim e de, olhando para o seu programa e prestações televisivas, não se perceber muito bem qual a razão de ser da sua candidatura, foi uma das vencedoras da noite. O seu enorme prestígio deu-lhe uma votação significativa. Parece ter ido buscar mais votos a António Costa do que as sondagens indicavam. Elegeu dois vereadores que podem ser decisivos.

Ruben de Carvalho: era previsível que fosse uma das surpresas da noite. Com um eleitorado tradicionalmente fiel, idoso e envelhecido, tinha tudo a ganhar com umas eleições marcadas por uma elevada abstenção veraneante. Perdeu 1,5 pontos e esteve à beira de não eleger o segundo vereador. Elegeu-o, contudo, e pode vir a desempenhar um papel fulcral no futuro destes dois anos. O que não evitou a cara de poucos amigos na sede da sua campanha.

Sá Fernandes: Juntamente com Roseta, e ao contrário de Rúben, era quem tinha mais a recear da abstenção. Com um eleitorado flutuante e jovem tinha tudo a perder com a calendarização das eleições. A forma como decorreu a campanha levou a que, por momentos, parecesse que era Sá Fernandes quem estava a ser julgado por este incómodo absoluto que foram umas eleições que todos os lisboetas pareciam defender. Mesmo assim perdeu poucos votos em relação há dois anos, mantendo o vereador por uma margem folgada. Tivesse o seu papel na questão do túnel sido melhor explicado, como realçou Sousa Tavares na TVI, e poderia ter tido um resultado ainda mais positivo.

Telmo Correia: Patético, mas merecido. Onde se mete perde. Apareceu a dizer que tinha feito uma boa campanha e a assumir todas as responsabilidades para ver se ninguém reparava em Paulo Portas. O PP nunca esteve interessado em fazer uma campanha para a Câmara, preferindo centrar as baterias no governo. Uma táctica arriscada, que permite uma leitura sobre a incapacidade da oposição de direita e de Paulo Portas em encontrar um discurso alternativo ao PS. Paulo Portas diz que vai reflectir sobre as difíceis condições da oposição a Sócrates. Isto, vindo do homem que assumia a liderança do PP, há menos de 3 meses, porque ninguém sabia fazer oposição aos socialistas. Os eleitores premiaram as pulhices que o seu grupo fez a Ribeiro e Castro e Nogueira Pinto, dois rotundos vencedores da noite de ontem.

Não pode sair da liderança do partido porque já secou tudo à sua volta. Só restam os Telmos e os Nuno Melos. Quis voltar em grande, mas é, cada vez mais, um dead man walking que está à frente dos populares. Voltou a tentar enganar os portugueses com a história da “reflexão” antes de um Conselho nacional onde tem 98% dos lugares. Os eleitores já mostraram que não vão em cantigas. Resta saber os jornalistas. Os mesmo que continuam a dedicar páginas sem fim às tricas de actores políticos que têm a mesma representação politica na capital que Garcia Pereira ou o MPT. Se alguém tinha dúvidas sobre o desfasamento da agenda jornalística com o país, ponha os olhos no PP e nas horas de directo televisivo para apresentar uma lista que teve 3% dos votos.

24 comments:

Gabriel disse...

boa análise

max disse...

interessante, ou talvez meramente preocupante, foi a subida do PNR.

Anónimo disse...

O Sá Fernandes perdeu 9000 votos e 40% do eleitorado e acha pouco?

zero de conduta disse...

É difícil ter perdido 40% do eleitorado quando passou de 7,9 para 6,8. Comparar valores absolutos, quando a abstenção foi o que foi, é pouco sério. Em termos absolutos todos perderam votos, à excepção dos partidos que lutam por ter algumas centenas.

A. Cabral disse...

E uma postazinha sobre a absentacao, vale tanto ou mais em votos como os candidatos.

Isabela disse...

Infelizmente, o Paulo Portas só estará politicamente moribundo quando estiver fisicamente moribundo.
Não há nenhum político neste país como o Paulo Portas, pelas piores razões, capaz de usar qualquer meio para atingir qualquer fim, capaz de dourar o pechisbeque e vendê-lo. Sócrates vai cair a seu tempo, e terá de se desenvencilhar. Portas sabe deitar-se à sombra e esperar pela presa, pela altura certa. É um homem perigosíssimo.

Anónimo disse...

Há um patusco, que anda pelos blogues, a repetir uma cassete, ( se calhar é o hábito), Sá Fernandes perdeu 9.000 e 40% do eleitorado, não vá alguem dizer que perante a campanha levada a cabo contra Sà Fernandes, que nas condições objectivas, foi uma vitoria.

O PS perdeu 18.000 votos e 25% do eleitorado.

O PSD mais de 90.000 e 70%

O PP 9.000 e 60%

O PCP 14.000 e 40%

A abstenção prejudicou todos os partidos parlamentares, e naturalmente tambem a candidatura de Sá Fernandes, o contrario é que seria de espantar.

Anónimo disse...

Quanto aos nazis e ao MRPP que continuam a ser muito residuais, terão tidos mais uns votitos que nas últimas eleições, mas a isso não significa mais que isso, mais uns votitos.

Aliás os nazis que apostaram forte em Sta. Condestavel, Benfica, e Campolide, ( onde numa destas noites na Prof . Sousa da Camara , meia dúzia de manfios chegaram a provocar cidadãos ), os resultados foram bem pifios.

Continuam a ser um caso de policia e não de politica, como a condenação hoje de um cabeça rapada, bem ilustra.

Anónimo disse...

Confirma então a perda pelo BE de 9000 votos e 40% do seu eleitorado. É que o spin da casa anda nos blogs amigos a dizer que foi quem menos sofreu a erosão...isto é acham pouco terem perdido 40% do eleitorado.

Gabriel disse...

um pormenor interessante: a anterior vereação psd, cuja avaliação intercalar pelos partidos foi tão negativa que levou ás eleições, não foi assim tão mal avaliada pelos eleitores: divididos os vereadores por duas listas, em conjunto tiveram mais votos que o vencedor.

Anónimo disse...

Tentativa de assassinato politico sabe o que é.

Pois foi o que tentaram fazer com José Sá Fernandes.

Como não conseguiram seguem agora a tactica, foi re-eleito mas perdeu votos.

Todos os partidos parlamentares perderam.

A direita foi a pique.

O PS nficou abaixo dos resultados do Carrilho

O PP perdeu o vereador

O PCP viu fugir uma parte significativa do seu eleitorado e por uma negra conseguiu o manter o segundo vereador.

Já agora porque repete a cassete,encomenda.....

Anónimo disse...

Como achei piada à dualidade de critérios na análise das votações de duas forças que perderam uma percentagem quase idêntica (na casa dos 40%), fiquei desconfiado e resolvi olhar melhor para a outra afirmação de a CDU ter estado “à beira de não eleger o segundo vereador”. Claro que isso só teria acontecido se o CDS/PP tivesse tido mais 2081 votos, o BE mais 5334, o PS mais 8000 e os outros ainda bastante mais...

zero de conduta disse...

Ao anónimo que me antecede,

Não sei se reparou, mas o PCP só falou depois das 21 horas. Foram dos últimos a fazê-lo, só o tendo feito depois de ter a certeza que conseguiam colocar o segundo vereador. Depois, não houve nenhuma dualidade de critérios, apenas a constatação de que, face a umas eleições com uma elevada abstenção, e com o eleitorado fiel, pobre e envelhecido - pouco atreito a férias de Verão, portanto - à partida, O PCP seria das forças que teriam mais a ganhar com a data destas eleições. Não aconteceu, mas, como deve ter reparado, reconheci que os seus dois vereadores vão ser fulcrais nos próximos dois anos.

Pedro Sales

Anónimo disse...

Pedro Sales: está estão a confessar que antes de escrever nem fez umas contitas básicas? Bem me parecia. Aliás, como continua com a análise preconceituosa (“com o eleitorado fiel, pobre e envelhecido - pouco atreito a férias de Verão”), vou ter de estar mais atento à adequação das futuras análises com a realidade. É que à primeira qualquer cai, à segunda cai quem quer.

Anónimo disse...

Pedro Sales , os dois vereadores do PCP, têm agora bastante menos peso que na Camara anterior.

As alianças encapotadas do Ruben com o Carmona e com o PSD, vão ser agora, bem mais dificeis de reeditar com o Costa.

Ou o Costa põe os pescoço no baraço e se alia com o Carmona, e aí o Ruben teria hipoteses de continuar as suas manobras.

Ou governa em minoria com acordos pontuais...

Ou tenta a grande aliança com o BE , a Roseta, e o PCP, mas ai há um problema de fundo por nada deste mundo o PCP quer o Sá Fernandes no executivo da Camara, os telhados de vidro da Soeiro Pereira Gomes são demasiado óbvios, e o Sá Fernandes com a mania de não deixar passar nada, ainda vinha a descobrir que o Ruben andava a arranjar lugares nas empresas municipais para a rapaziada.

Anónimo disse...

Muita piada acho eu a estes difamadores rascas.

zero de conduta disse...

Anónimo das 21h37,

Vamos lá a ver se nos entendemos. Está-me a tentar convencer que o eleitorado do PCP é jovem e flutuante? Nem são precisos números para responder a isso, todos os estudos o indicam e o bom sendo o indicam. Não vejo, aliás, onde é que está o preconceito em afirmá-lo. Ser pobre e velho é defeito? Ter um voto fiel até deveria ser sinal de contentamento, é sinal de que os eleitores se revêem no trabalho feito pelos autarcas comunistas.

Quanto ao estrato social, aí, reconheço é mais difícil, mas repare que o PCP tem 13,7% no Beato e 5,5 em Alvalade; 21,90% no Castelo e 5,3 na Lapa; 15% na Madalena e 6% no Lumiar. Se já reparou na composição etária e social dessas freguesias (que pode encontrar em http://www.stape.pt/eleiref/cml2007_nt.htm ) vai ver que até vi uns númerozitos antes de escrever o que escrevi.

Agradeço a gentileza de me avisar que vai patrulhar ideologicamente o que escrevo. Um trabalho que sempre dispensa a leitura dos números, claro. Basta a fé.

Pedro Sales

Anónimo disse...

Pedro Sales
Seguindo o seu raciocínio e pegando nas seis freguesias que mencionou o resultado é este:
Beato – 590 da CDU; 268 do BE
Alvalade – 219 da CDU; 294 do BE
Castelo – 46 da CDU; 33 do BE
Lapa – 197 da CDU; 218 do BE
Madalena – 26 da CDU; 14 do BE
Lumiar – 780 da CDU; 961 do BE

Total nestas seis freguesias – CDU 1858; BE 1788.

Dá para alguém concluir que o eleitorado de um “é fiel, pobre e envelhecido - pouco atreito a férias de Verão” e do outro é “jovem e flutuante”? É possível, mas a mim não me diz rigorosamente nada.

zero de conduta disse...

Anónimo,

parece-me que não é de Lisboa, senão teria percebido a distinção entre as zonas de classe média e as velhas e pobres da cidade. Com calma vamos lá

Zonas envelhecidas e pobres: Beato, Castelo e Madalena: PCP 662 votos, Bloco 315.

Zonas classe média ou média-alta: PCP 1196, Bloco 1473.

Percebeu, agora, a diferença?

Anónimo disse...

Arranjaram uma amostra de pouco mais de 10% das freguesias para concluirem a tese de que o eleitorado de um “é fiel, pobre e envelhecido - pouco atreito a férias de Verão” e o do outro é “jovem e flutuante”. Mas isso explica que ambos tenham perdido exactamente o mesmo, cerca de 40% do eleitorado? A mim não. Parece-me que a realidade do universo eleitoral da cidade de Lisboa é bem mais rica do que os seus estereotipos.

Anónimo disse...

E se reduzirmos mais o universo ainda dá uma amostra menos explicativa.

Vejamos os casos do Castelo e da Lapa, no conjunto a CDU teve 243 votos e o BE 251, isto é no Castelo a CDU teve mais 13 votos e na Lapa o BE teve mais 21.

Lá se vai então a teoria pelo cano abaixo. Irá daqui a dois anos também o Zé? Por este andar...

Anónimo disse...

Este Zero de Conduta não tem conduta nenhuma a não ser um bloquismo ferrenho a dar palestras e a se fingir imparcial.

Anónimo disse...

福~
「朵
語‧,最一件事,就。好,你西.............................................................................................................
..................

disse...

提供google排名产品,包括google排名服务,众多的google排名信息、google排名咨询,尽在google排名网。
角钢货架,万能角钢货架,南京货架
轻型货架,北京货架,托盘包装
中型货架,中量型货架,置物柜
重型货架,重型仓储货架,上海货架
托盘货架,上海货架厂,小推车
横梁货架,横梁式货架,塑胶托盘
阁楼货架,阁楼式货架,货位式货架
密集架,深圳货架厂,推车
悬臂货架,悬臂式货架,广州货架厂
贯通货架,贯通式货架,卡板
通廊式货架,深圳货架,苏州货架
驶入式货架,广州货架,浙江货架
流利条,天津货架,沈阳货架
江苏货架,无锡货架,天津木托盘
杭州货架,宁波货架,熏蒸木托盘
济南货架,青岛货架,蜂窝纸托盘
重庆货架,广东货架,食品托盘
货架公司,成都货架,塑料卡板
货架厂,货架设计,货架设备
仓储货架,货架厂家,货架网
移动货架,移动式货架,货架制造
货架加工,货架配件,生产货架
服装货架,货架制作,销售货架
货架价格,货架图片,展示货架
仓库货架,库房货架,精品货架
图书货架,音像货架,百变货架
物流货架,商场货架,线棒货架
东莞货架,设备货架,不锈钢货架
抽屉式货架,重力式货架,立体货架
模具架,钢平台,档案密集架
超市货架,收银台,超市设备
线棒,仓储物流设备,园林垃圾桶
塑料垃圾桶,上海物流设备,药品柜
分类垃圾桶,物流设备有限公司,陪护椅
垃圾桶,物流设备公司,医用消毒柜