07 dezembro, 2007

Tendências

O juramento de castidade é “o novo ritual das virgens americanas”. Quem o diz é a Sábado, na sua edição de quinta-feira, que dedica duas páginas aos “bailes da pureza”, a “última moda entre os cristão conservadores norte-americanos”. São mil e quinhentos bailes num país com mais de 300 milhões de habitantes. Manifestamente pouco para apresentar uma “tendência”. Depois, logo por azar, na véspera desta reportagem ficámos a saber que, pela primeira vez em 16 anos, a gravidez na adolescência cresceu nos EUA. Como subiram, também, os números das doenças sexualmente transmissíveis. São as consequências directas do fanatismo conservador de Bush e do desmantelamento das campanhas de prevenção, substituídas por idiotas e ineficazes campanhas de promoção da abstinência sexual.

É este o problema destas reportagens ligeiras que enchem edições inteiras de revistas como a Sábado. Apresentam-nos casos e tendências sem nenhuma articulação com a realidade. Tomam os salões de baile da alta burguesia como o retrato do mundo. A fechar a notícia, duas linhas referem um estudo das universidades de Columbia e Yale:”88% das jovens que juraram manter a castidade até ao casamento não o cumpriram”. A Sábado apresenta o juramento de castidade como uma “tendência”. Not so fast. A tendência é mesmo as jovens quebrarem o juramento. E a de algumas reportagens não terem nada a ver com o sensacionalismo do título.

6 comments:

espirito santo disse...

e são estes os iluminados.e a esta gente que temos que confiar o nosso futuro!

Ele é a virgindade, a castidade, a mentira, e o perdão. Sim que no fim tudo lhes é perdoado, porque deles é o reino dos céus.

Em vida sofre-se e o paraíso vem depois de morrermos... o espírito sobrevive, até posso concordar... mas só sobrevive na cabeça de quem nos conheceu, não sobrevive nem no paraíso, nem no inferno nem no purgatório.

A troco destas promessas, como as dos políticos, aliás) tudo lhes é permitido. Pois no fim até pode ser que lhes seja perdoado. São as expectativas, meus queridos.

É sempre a andar de mota até ao precipício.

Anónimo disse...

Engole esta aqui:

http://www.olavodecarvalho.org/semana/051017dc.htm

Anónimo disse...

Todos sabemos que se vivem tempos difíceis em Portugal.
É preciso poupar, emagrecer o orçamento, cortar nas despesas onde se pode cortar.
Concordamos, também, que o Estado deve dar, ele próprio, o exemplo.
Concordemos ou não com as medidas tomadas e a tomar no âmbito da Função Pública, aceitemos, mesmo assim, a ideia de que esse esforço tem sido feito, que tem havido intenção de dominar o “monstro”.
Não tenhamos dúvidas: vivemos actualmente uma mudança histórica no que respeita ao paradigma de emprego público, herdado da Administração Napoleónica, continuado durante o Estado Novo e timidamente alterado, pontualmente, já após a instauração revolucionária da Democracia que vivemos.
Saúda-se a modernização e regista-se o período histórico que atravessamos.
Mas nem tudo é modernidade, e há persistências institucionais de um doloroso anacronismo.
Vejamos um exemplo.
O Zé e a Maria são ambos funcionários públicos mas trabalham em serviços dependentes de Ministérios diferentes.
O Zé é assistente administrativo numa Repartição de Finanças enquanto que a Maria é, também ela, assistente administrativa, mas noutro Ministério qualquer.
Ambos possuem o mesmo conteúdo funcional como idênticas são as tarefas que estão obrigados a desempenhar: tratamento informático de texto, atendimento ao utente e todas as outras inerentes à carreira. As habilitações que possuem são as exigidas para ingresso na carreira, ou seja, o 11.º ano de escolaridade.
Ambos estão obrigados a cumprir um horário rígido de 35 horas semanais e têm direito aos mesmos 25 dias de férias todos os anos.
A Maria recebe, ao fim do mês, cerca de 750 euros de vencimento, conforme consta da tabela salarial em vigor para o seu escalão e índice remuneratório.
Trabalha, tal como o Zé, a cerca de 300Km da sua terra natal, onde constituiu família e vivem as pessoas que lhe são mais queridas.
A Maria vive com uma espada sobre a cabeça, chamada SIADAP – Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho. Se o seu superior lhe der uma má nota no ano que vem, ou porque lhe apeteceu ou porque definiu mal os objectivos a cumprir (a Maria não é chamada a definir os seus próprios objectivos, ainda que a lei permita a sua participação, mas a última palavra é sempre do seu superior), arrisca-se a ser integrada no quadro de mobilidade especial, que há uns anos se chamava, menos eufemísticamente, quadro de excedentes. Arrisca-se, pois, a ir para casa com o seu vencimento substancialmente reduzido.
Mas a Maria quer voltar para a sua terra e até sabe que num serviço que fica a 5 minutos de lá existe uma vaga para administrativa.
Faz um requerimento de transferência, que é indeferido pelo seu coordenador, pois a Maria é boa funcionária e ele não se dá ao luxo de a deixar ir embora assim sem mais nem menos.
A sua presença ali é essencial, e o serviço até pode entrar em ruptura se ela for embora.
Não vai, nem para excedente nem para a sua terra.
Resigna-se, pois o dinheiro faz-lhe falta, ainda mais agora que o rebento mais velho entrou este ano para a Universidade, e o mais pequenino também faz a sua despesa.
O Zé também é bom funcionário. Tal como a Maria, redige os seus ofícios com muito cuidado e trata os utentes com exemplar urbanidade.
Lá na Repartição de Finanças, a 300km de casa, todos gostam dele e o chefe, tal como aconteceu com a Maria, não está nada interessado em deixar o Zé ir embora.
O Zé, só por trabalhar num serviço dependente do Ministério das Finanças, e só porque as Finanças cobram impostos (uma das suas atribuições), tem um suplemento remuneratório que se chama Fundo de Estabilidade Tributária, carinhosamente apelidado por ele e seus colegas como FET.
Esse fundo é fixado legalmente todos os anos e o Zé sabe que, se um dia o Governo decidir extingui-lo, vai haver muito barulho entre os seus colegas, principalmente entre aqueles que, a partir daí, não vão cobrar tantos impostos, pois não há aquele incentivo extra, só para cumprir aquilo a que estão obrigados, mas que sabe tão bem…
É mesmo isso: além do ordenado a que têm direito, os funcionários das Finanças ainda recebem, regularmente, um suplemento indexado ao seu vencimento base. Só porque… as Finanças cobram impostos.
E porque os impostos entram nos cofres do Estado, os profissionais das Finanças, desde o auxiliar ao dirigente, recebem um bónus, quer estejam a desempenhar funções de cobrança ou não, ou seja, recebem um prémio por… trabalharem.
Agora vamos supor que a Maria, em vez de trabalhar num Ministério qualquer, exerce as suas funções administrativas num serviço do Ministério da Saúde, um Hospital, por exemplo.
Ora, pela lógica aplicada ao Zé e seus colegas das Finanças, a Maria deveria receber, regularmente, um bónus extra só por trabalhar, não é?
Vamos supor que seria fixado nestes termos: por cada x doentes tratados com sucesso no âmbito do Serviço Nacional de Saúde, os funcionários, médicos ou não, receberiam y indexado ao seu vencimento base.
Justo e proporcional, não seria?
Mas há mais.
Já vimos que a Maria pode sonhar com o dia da reforma, quando, nessa altura, for envelhecer na sua terra, junto dos seus.
O chefe da Repartição onde trabalha o Zé também não o vai deixar sair.
Mas o Zé sabe que, só por trabalhar nas Finanças, pode esperar, de dois em dois anos, pela “Época de Transferências”, uma espécie de época venatória, só que, em vez de se caçar coelhos e perdizes, caça-se lugares onde mais convém.
E aí, o lugar que era essencial, deixa de fazer falta, assim de repente.
Já não faz falta, mas também não é extinto, pois na seguinte época de transferências especiais para os super-funcionários das Finanças, pode algum querer ocupar o lugar do Zé, que já trabalha a 5 minutos da sua casa na sua terra natal, junto dos seus.
Confusos?
Aqui onde moro, um meio não muito grande, é possível constatar um diferencial significativo entre o nível de vida dos funcionários das Finanças e os outros.
Repito: só porque são das finanças e fazem aquilo que são obrigados a fazer.
O que quer dizer que, se não fizessem absolutamente nada, teriam, mesmo assim, direito ao seu ordenado completo.
Nada tenho contra estes profissionais.
Eles não estão a roubar nada, estão a receber aquilo que é deles, por lei.
Quem rouba aqui é o Estado. Rouba-nos a nós todos para distribuir por eles.
Reflictam nisto e divulguem, pois não tenho conhecimento de esta situação ter causado indignação, talvez por desconhecimento geral

Anónimo disse...

Provavelmente, os Estados Unidos já começaram a receber a influência do nosso primeiro, grande filósofo, no que diz respeito às promessas que nunca devem ser cumpridas. O mundo, e Portugal como farol, está a passar por um momento grandioso. Rejubilemos.

Anónimo disse...

福~
「朵
語‧,最一件事,就。好,你西.............................................................................................................
..................

disse...

提供google排名产品,包括google排名服务,众多的google排名信息、google排名咨询,尽在google排名网。
角钢货架,万能角钢货架,南京货架
轻型货架,北京货架,托盘包装
中型货架,中量型货架,置物柜
重型货架,重型仓储货架,上海货架
托盘货架,上海货架厂,小推车
横梁货架,横梁式货架,塑胶托盘
阁楼货架,阁楼式货架,货位式货架
密集架,深圳货架厂,推车
悬臂货架,悬臂式货架,广州货架厂
贯通货架,贯通式货架,卡板
通廊式货架,深圳货架,苏州货架
驶入式货架,广州货架,浙江货架
流利条,天津货架,沈阳货架
江苏货架,无锡货架,天津木托盘
杭州货架,宁波货架,熏蒸木托盘
济南货架,青岛货架,蜂窝纸托盘
重庆货架,广东货架,食品托盘
货架公司,成都货架,塑料卡板
货架厂,货架设计,货架设备
仓储货架,货架厂家,货架网
移动货架,移动式货架,货架制造
货架加工,货架配件,生产货架
服装货架,货架制作,销售货架
货架价格,货架图片,展示货架
仓库货架,库房货架,精品货架
图书货架,音像货架,百变货架
物流货架,商场货架,线棒货架
东莞货架,设备货架,不锈钢货架
抽屉式货架,重力式货架,立体货架
模具架,钢平台,档案密集架
超市货架,收银台,超市设备
线棒,仓储物流设备,园林垃圾桶
塑料垃圾桶,上海物流设备,药品柜
分类垃圾桶,物流设备有限公司,陪护椅
垃圾桶,物流设备公司,医用消毒柜